"Stuck In A Moment You Can't Get Out Of"

[Quarta-feira, 28 de agosto de 2013]



"I'm not afraid of anything in this world
There's nothing you can throw at me 
that I haven't already heard
I'm just trying to find a decent melody
A song that I can sing in my own company

[...]

You've got to get yourself together
You've got stuck in a moment and now you can't get out of it
Don't say that later will be better 
now you're stuck in a moment and you can't get out of it

[...]

And you are such a fool
To worry like you do (ohhh)
I know it's tough, and you can never get enough
Of what you don't really need now... my oh my

You've got to get yourself together
You've got stuck in a moment and you can't get out of it
Oh, love, look at you now
You've got yourself stuck in a moment and you can't get out of it

I was unconscious, half asleep
The water is warm till you discover how deep...
I wasn't jumping... for me it was a fall
It's a long way down to nothing at all

[...]

And if the night runs over
And if the day won't last
And if your way should falter
Along the stony pass
It's just a moment
This time will pass"



FATO: eu não consigo enganar a mim mesma, muito menos meu psicólogo. (y)

Sobre o sonho. Estávamos eu, minha irmã e duas primas fugindo correndo de algum lugar escuro até que chegávamos em um campo aberto. Continuávamos a correr, mas uma hora eu simplesmente começava a subir pra sei lá onde, só sabia que tinha que chegar no topo. Sabia que chegaria, de alguma maneira naquele momento aquilo parecia muito fácil: pedra sobre pedra e logo eu estava no ponto mais alto. Nada mais importava, só aquele horizonte que se estendia à minha frente... tudo era tão lindo e infinito e eu queria TANTO fazer parte daquilo. Mas - porque SEMPRE tem um "mas" - eu percebia que o espaço onde eu estava só dava para apoiar meus pés e tive medo de cair. Mas lembrei que estava num sonho e que, assim sendo, eu poderia simplesmente me jogar e voar: principalmente ao ver uma tartaruga enorme fazendo exatamente isso, para frente e para trás, ao meu lado. Estava óbvio que aquilo era um sonho, MEU sonho, e, se uma tartaruga podia voar, porque eu não?  Porque eu tive MEDO. Comecei a tatear atrás de mim procurando minha cama e acordei deitada nela.

É tudo simplesmente TÃO óbvio. Quando eu surtei há dois anos e meio, tive medo do horizonte de infelicidade que se estendia a minha frente (e aqui eu já peço desculpas se eu começar a ficar repetitiva, mas o blog é meu, e eu tô tentando entender que porra tá acontecendo comigo durante todo esse tempo). Mas agora ele se mostra justamente o contrário; agora ele é vasto e apresenta mil possibilidades. E não importa mais o que ficou para trás: EU cheguei ali no alto, e agora é só me jogar. Mas eu tô com medo. Ainda tô com medo: de ser feliz e de merecer tudo isso. Onde já se viu tanta bobagem? É engraçado que a gente cresce e acha que vai começar a entender tudo, haha! Nada... além de tudo parar de fazer sentido, a gente ainda dá um jeito de complicar o que poderia ser simples. Enfim, disse pra ele eu passei todo esse tempo parada e, só agora eu consegui sair do lugar e que eu tô começando a caminhar; ele disse que não, que eu já tô caminhando há um bom tempo e que agora é hora de voar, eu tô pronta: mas eu mesma estou me prendendo. Segundo ele, eu tô abrindo mão de coisas que eu sempre considerei importantes sem a menor necessidade: porque eu poderia, sim, dar conta de tudo, como eu sempre fiz. Agora tem toda essa merda de autossabotagem, autopunição, autopiedade. E eu jurando que tinha me livrado dessa coisa de "querer ser salva". É óbvio que eu me perdi nesse meio tempo (e isso me lembra tanto o final d'A história sem fim) e nesse processo de chutar para escanteio tudo o que eu não queria. O passado faz parte de mim, nem tudo foi ruim, MUITO pelo contrário, eu fiz algumas escolhas erradas, quem nunca: mas não preciso abrir mão de todas as minhas conquistas e meus relacionamentos para seguir em frente, mesmo que essa caminhada, esse voo, seja MEU no fim das contas. Talvez eu precise voltar nesse tempo e tentar entender quando e como foi que eu passei a acreditar nisso. O meu "eu" de hoje sabe que vai dar tudo certo, porque ele tomou uma atitude. O psicólogo disse que fica intrigado com o fato de eu ter tanta clareza das coisas, das possibilidades e da minha capacidade, mas ainda assim, duvidar tanto de mim mesma. Espero que não seja tarde demais para reconhecer e admitir o que tem importância pra mim: o que eu QUERO e não que eu deveria querer. E que eu ainda tenha forças para bater essas asas.



Resgate do dia

[Terça-feira, 27 de agosto de 2013]



The heart is hard to translate
It has a language of its own
It talks in tongues and quiet sighs
In prayers and proclamations
In the grand days of great men
In the smallest of gestures
In short, shallow gasps

But with all my education
I can't seem to commend it
And the words are all escaped me
Coming back all damaged
And I would put them back in poetry if I only knew how
I can't seem to understand it, and...

And I would give all this and heaven too
I would give it all, if only for a moment
That I could just understand
The meaning of the love, you see
Cuz I've been scrawling it forever
But it never made sense to me at all.

And it talks to me in tiptoes
And sings to me inside
And cries out in the darkest nights
And breaks in the morning light

But with all my education
I can't seem to commend it
And the words are all escaping
Coming back all damaged
And I would put them back in poetry if I only knew how
I can't seem to understand it, and...

And I would give all this and heaven too
I would give it all, if only for a moment
That I could just understand
The meaning of love, you see
Cuz I've been scrawling it forever
But it never made sense to me, at all (2x)

No
Words...
Called a language
Doesn't deserve such treatment
And all my stumbling phrases
Never amount to anything
Worth this feeling
All this heaven
Never could describe such a feeling as I'm feeling
Words were never so useful
So I was screaming out a language
That I never knew existed before

O lado bom...

[Segunda-feira, 26 de agosto de 2013]

...de se estar doente (poizé, gripei de ontem para hoje) é ter desculpa pra ligar o foda-se, tomar um Resfenol e ir direto pra cama.

Porque né, se você mal consegue respirar, quem dirá fazer qualquer outra coisa de útil.


Bonne nuit!

Resume bem...

[Domingo, 25 de agosto de 2013]

...os últimos dias.



Agosto voou, néam... essa semana já vai ser a última.

...correr atrás do tempo perdido: dei uma (SENHORA) pirada nos últimos dias: ficar duas semanas sem terapia e a (tentativa de) adaptação à nova rotina, que me fizeram deixar escrever pra mim mesma em último plano, não ajudaram muito a manter o foco e a sanidade.

Fazia tempo...

[Quarta-feira, 21 de agosto de 2013]

...que eu não me sentia TÃO indisposta pra estudar.

E aqui estamos novamente, nos virando nos 30. Falta muito pouca coisa, é basicamente editar uns parágrafos mas até isso parece exigir todo o esforço do mundo.


2ª quarta-feira seguida sem terapia, o psicólogo tá doente. E eu aqui com tanta coisa acumulada e sem tempo sequer para escrever direito. Ainda não me acostumei com a rotina da academia, muito menos me sinto mais disposta: pelo contrário, tenho muito sono e muitas dores, isso sim - apesar de aula de sh'bam ser tudo de bom; não vejo a hora de conseguir pegar um dia de body combat também, semana que vem tem que rolar.


Só uma coisa...

[Terça-feira, 20 de agosto de 2013]

...eu gostaria que as pessoas no meu trabalho entendessem: EU. NÃO. SOU. ARQUIVISTA. Aliás, tecnicamente, nem bibliotecária: não tenho diploma (ainda) e fiz concurso pra nível médio. Ainda assim, tento fazer o melhor que eu posso. Aí vêm pedir minha opinião. Aí eu dou. Aí querem fazer justamente o contrário. VELHO...

Cheguei a um ponto em que eu não sei se a coisa vai mal assim ou se sou eu que tô de saco cheio e absolutamente qualquer coisa me irrita. Acho que tem um pouco das duas coisas, além do fato de eu estar precisando MUITO de férias.


Enfim, pelo menos valeu a pena tirar a noite de ontem para adiantar quase tudo da tarefa da monografia dessa semana e hoje, depois do expediente, vou poder me dar ao luxo de ver filme alemão no Goethe comendo salsicha e bebendo cerveja, enquanto minha irmã assiste aula. #ouié

Resultados

[Domingo, 18 de agosto de 2013]

É de se esperar que uma pessoa que manteve o cabelo vermelho como o meu era até dois anos atrás não tenha medo de mudanças radicais no cabelo. Só que pra mim não tem nada a ver: cor é cor e corte é corte. Aliás, manter uma cor de cabelo daquela garantia que ele nunca seria careta, apesar do tempão que ele ficava sem ver uma tesoura. O fato é que ele nunca passa de um certo ponto... e quando chega nesse ponto eu simplesmente não aguento mais olhar pra ele tão sem corte, apesar de adorar cabelo grande. Mas, pra ser bem sincera, há um bom tempo não fazia mais que cortar as pontas. Até resolver cortar com o cabeleireiro da minha irmã antes de viajar no final do ano passado - apesar de não ter ousado muito na época. Hoje resolvi adotar novamente a franja: sempre gostei (com exceção de quando cortei curta mesmo porque a bicha tinha vida própria) mas depois de engordar achei que não tinha mais nada a ver. Agora toquei o foda-se: mandei tirar o que tinha que tirar de pontas, pedi mais movimento na frente e a franja que eu não cortava há una três, quatro anos. E, olha, ainda sobrou MUITO cabelo pra contar a história. Adorei o resultado - apesar de saber que dificilmente eu vou ter paciência pra manter essa escova para fora. Amanhã compro tintura nova pra ver se eu acerto a cor... dia 20 completo três meses sem pintar, deixando desbotar o máximo depois da merda que eu fiz da última vez. Enfim, vamos ao antes e depois:


Segunda-feira no trabalho, cabelo sem corte desde novembro.

Hoje, em casa (essa luz é uó, eu sei). AMEI a escova para fora.

PS: tou pra escrever um texto desde sexta... tive um sonho tão simbólico, bonito e revelador. Pena que ainda tô entrando no ritmo UnB/Francês/academia/consultas que tem sido agosto até então e ontem simplesmente capotei. Acho que vou esperar pra contar pro psicólogo e depois compartilho.

Domingo é dia de...

[Domingo, 18 de agosto de 2013]

...cortar o cabelo o/

O foda é que eu sonhei que o cara esquecia de cortar a franja e pintava tudo de vermelho de novo o.O

Enfim, desejem-me sorte.

E o que tem pra hoje é...

[Quinta-feira, 15 de agosto de 2013]

...estudar francês e aguentar um jejum de 12h para fazer exame de sangue amanhã. QUE ótima ideia fazer isso justo na semana que eu voltei pra academia e passei a sentir fome a cada duas horas.

Tarefa de casa da terapia

[Terça-feira, 13 de agosto de 2013]

Título: "O sonho"

O sonho é algo além da realidade. O que não significa que ele não possa se tornar realidade.


Até amanhã penso em algo melhor que isso, prometo. Lembrei que escrevi algumas coisas sobre isso pouco antes do meu aniversário esse ano. Coincidência ou não, amanhã completo 28 e meio.

Procura-se...

[Segunda-feira, 12 de agosto de 2013]

...companhia para dividir pizza de camarão nas pizzarias boas da cidade. Sofro tanto com meu gosto diferenciado. Torcendo para alguém topar dividir a "lasanha romeu e julieta" na hora da sobremesa.

Aquele pânico...

[Segunda-feira, 12 de agosto de 2013]

...de quando as coisas finalmente começam a acontecer #querdizer.

Às vezes, eu só queria passar pelas coisas, um pouquinho que fosse, como qualquer pessoa normal.



"It's all happening!"

CONSEGUI me matricular em monografia - um ano e meio de dor de cabeça depois... fui pra lá com aquela preguiça de quem teve que acordar quatro horas antes do que tá acostumada, simplesmente querendo resolver o que tivesse que resolver e qual não foi minha surpresa aquela sensação TÃO boa de ver ali, no papel, minha matrícula processada. É que eu lembro de como todo esse processo começou, de como visualizar minha formatura parecia visualizar um horizonte de infelicidade. Às vezes parece que nada aconteceu nos últimos dois anos, mas em momentos como esse eu vejo quanta coisa mudou. E vai mudar ainda mais. Tive reunião hoje, já tá na hora de começar a fazer o estudo de caso. Ainda não acredito que eu comecei uma monografia do zero há três meses e já terminei minha revisão: acreditem, nem doeu, pelo contrário. Sim, eu tô cansada (embora tenha me acostumado com o ritmo e "sentido falta" nessa última semana, mas me forcei a fazer uma pausa pra não enlouquecer), estressada, ansiosa, durmo pouco às vezes... mas faz parte para todo mundo e, no fim das contas, não é todo aquele bicho de sete cabeças. Quem diria, tá acontecendo!



No mais, bora dormir que agora sexta à noite não me pertence mais. Parece que eu tava na sala errada no Francês, recebi um e-mail hoje com a turma certa e amanhã vou ver de qualé. Tinha gostado muito da professora, espero que essa seja boa também.

Francês e outras atividades

[Quinta-feira, 08 de agosto de 2013]

As aulas voltaram sábado passado, acordei às 06:30h e senti tanto sono que chegava a doer - não sei se isso existe, mas foi bem o que eu senti. Agora tamo aqui, com 28 anos na cara, tendo que escrever um parágrafo sobre "minhas férias". Enfim, não tou exatamente morrendo de empolgação nesse exato momento. Mesmo porque amanhã vou acordar cedo de novo para fazer minha matrícula pro MEU ÚLTIMO SEMESTRE NA UNB NEM ACREDITO e para mais uma reunião de orientação depois de mais de um mês sem. Aié: amanhã faz uma semana que eu me matriculei na academia, mas ainda não fui. É que primeiro a gente diminui o peso na consciência fazendo a matricula. Depois ela (e a balança) pesa mais um pouco e aí a gente vai lá malhar. Hoje até comprei um tênis novo para aumentar a empolgação, FDS monto uma playlist fera para ouvir no caminho - fica a meia hora a pé da minha casa, então será 1h de caminhada, ida e volta. Pensei em buscar inspiração nesses blogs de emagrecimento, mas sei que até pra malhar gosto de rock pesado.

Voltei pra terapia ontem. Falei sobre minha constatação de nunca ter tido sonhos de verdade. Achei que ele ia passar a mão na minha cabeça, dizer que isso era um absurdo, que não é possível, mas não: ele pediu para eu começar a tentar definir o que é sonho, pra mim. Nunca tinha pensado nisso. É por essas e outras que eu amo esse cara.

Hoje o chefe pagou pizza pra geral no trabalho, momento histórico. Lógico que tá todo mundo desconfiado imaginando o que vem por aí, ainda mais depois de tantos elogios rasgados para cada um há uns dois dias, eu héin.

Amanhã comprarei uma água termal para carregar na bolsa, dessas que vende em farmácia. Sinto meu rosto em carne viva com esse tempo.

Amanhã também chega o amigo Tcheco. Não sei quando nos reencontraremos todos, não vejo os meninos desde o jantar na casa de um deles para trocarmos as fotos da viagem. Enfim, depois de tanto tempo, espero lembrar mais das histórias engraçadas e menos dos momentos que eu passei raiva. De qualquer forma, Praga foi cômico desde que pisamos naquela estação sinistra até o momento que fomos embora e perdemos o trem dentro do trem para Amsterdã hahaha! E estar com o Tcheco vai nos fazer reviver tudo isso. Espero que ele tenha trago algumas cervejas e que eu possa aumentar meu vocabulário de tcheco além de "bunda" (significa jaqueta, casaco: imagina nossa cara quando vimos isso numa vitrine no outlet - e as piadas que rolaram depois) e "pivo"  (MUITO importante aprender a pedir cerveja em qualquer língua que seja) haha! Algumas fotas de Paris na noite que o Tcheco chegou - porque nada daquela noite na boate gay de Praga será divulgado hahaha! Talvez depois eu mostre o suporte de copo que eu ganhei do barman, mas só :P


Nosso grupo, caso de amor e ódio haha - só faltou minha irmã. Sim, eu tava uns 4 kg mais gorda e com umas três camadas de roupa, relevem.

Everybody sensualizando, ui!
 
O Tcheco mais simpático de Praga - na verdade, o único kkkkk. Descobrimos que os poucos tchecos simpáticos que conhecemos não tinham nascido em Praga. Aié: o menino do outlet era russo, não tcheco, então menos um na contagem.

Hoje recebi um e-mail da KLM com promoções de passagem e, por Deus, que vontade que me deu de fazer uma loucura. Mas agora é hora de manter os pés no chão, tem um tanto de realidade pra dar conta antes de eu querer ganhar asas novamente. Enquanto isso, não custa sonhar, né?

Until then...

[Quarta-feira, 07 de agosto de 2013]



Minha irmã imprimiu uma pra mim e disse pra eu deixar à vista no trabalho. É o que ainda me permite dar um sorriso amarelo em dias como hoje, em que eu começo mais uma missão inútil, quase impossível e aparentemente infinita. É muita burrice de uma vez só, e eu tento apresentar soluções (não sei pra quê, acho que pra tentar me livrar de mais uma que vai acabar sobrando pra mim) sempre em vão. Daí me resta olhar pro meu gatinho. Falando nisso, tenho que mostrar minha mesa, néam?

No mais, hoje eu retorno à terapia. Espero que dê uma aliviada, pelo menos.

Grata redescoberta do dia

[Terça-feira, 06 de agosto de 2013]

Tava chegando no trabalho quando rolou Depeche Mode no player, não pensei duas vezes em desenterrar o que eu tinha assim que cheguei, inclusive o Sounds of Universe, ouvia direto quando cheguei aqui (2010) - aliás, acabei de descobrir que tem CD de 2013, #Ê!

E daí que eu parei nessa música e agora vou ouvir até dar no saco, fazia tempo que eu não ouvia nada tão #minhacara.



Wrong, wrong, wrong, wrong
I was born with the wrong sign
In the wrong house
With the wrong ascendancy
I took the wrong road
That led to the wrong tendencies
I was in the wrong place at the wrong time
For the wrong reason and the wrong rhyme
On the wrong day of the wrong week
I used the wrong method with the wrong technique
Wrong
Wrong

There's something wrong with me chemically
Cannot be something wrong with me inherently
The wrong mix in the wrong genes
I reached the wrong ends by the wrong means
It was the wrong plan
In the wrong hands
With the wrong theory for the wrong man
The wrong lies, on the wrong vibes
The wrong questions with the wrong replies
Wrong
Wrong

I was marching to the wrong drum
With the wrong scum
Pissing out the wrong energy
Using all the wrong lines
And the wrong signs
With the wrong intensity
I was on the wrong page of the wrong book
With the wrong rendition of the wrong hook
Made the wrong move, every wrong night
With the wrong tune played till it sounded right yah
Wrong
Wrong

Wrong

I was born with the wrong sign
In the wrong house
With the wrong ascendancy
I took the wrong road
That led to the wrong tendencies
I was in the wrong place at the wrong time
For the wrong reason and the wrong rhyme
On the wrong day of the wrong week
I used the wrong method with the wrong technique

Agosto

[Quinta-feira, 1º de agosto de 2013]

Já começou DAQUELE jeito.


Tem gente que simplesmente não aguenta ver a paz alheia, tem que dar um jeito de atrapalhar e ferrar mais um monte junto. SACO.

E pensar que eu tô considerando seriamente adiar minhas férias ainda mais. Será que eu aguento?