Companheiro

Meu mais novo companheiro de trabalho. Tive um desses bambus em miniatura que viveu três anos. Agora que ele se foi, resolvi comprar outro e trazer aqui pro trabalho pra absorver as energias negativas, que o trem tá TENÇO... só tenho medo que o coitado não aguente tanta coisa, tô pensando também em trazer um dos cactos lá de casa.



No mais, um beijo para quem também tá trabalhando hoje! :*

Outra prova...

[Sexta-feira, 31 de maio de 2013]

...do "Pacto com a Infelicidade": eu mal escrevi uma linha sobre minha viagem, né? É. Nem álbum no "Face" quis fazer.



eu raramente falo sobre coisas boas (tanto que um dos motivos pelos quais eu basicamente abandonei minha vida social é o fato de eu, no momento, não ser a melhor companhia de todos os tempos): aliás, eu desando a escrever sempre que vai tudo de mal a pior. Mas acho que falar sobre a monografia já é alguma coisa, né? É. Principalmente considerando que, há menos de dois meses, se alguém ousasse tocar no assunto comigo, levava patada. Agora que as coisas estão acontecendo (ainda tem a questão do SAA e do estudo de caso que pode dar errado, mas o resto saiu MUITO melhor do que eu um dia poderia esperar), faço questão de compartilhar. 


Enfim, fiquei BEM encucada depois que ele soltou essa expressão. Passarei o fim de semana (feriado pra mim foi só a quinta mesmo) refletindo e me vigiando.

Status

[Quinta-feira, 30 de maio de 2013]

Adiando o relatório da terapia de ontem, que não necessariamente virá para cá - okãy, talvez uma parte. Gosto de escrever quando a sessão é importante pra não esquecer depois. Enfim, ontem já foi BEM foda falar isso pra ele, imagina compartilhar com meio mundo o.O

Daí eu me vejo voltando a isso (FALEI que minha playlist é exótica):



O que me lembrou como até relativamente pouco tempo (enfim, parece que foi ontem) meus fim de semana eram tão diferentes (Westlife era uma das trilhas). Senti falta... e, hoje, foi de verdade.

Tá vendo, o tal do "pacto com a infelicidade"? O dia foi produtivo como eu queria (lógico que não dá pra dar conta de TUDO) mas, nesse exato momento, eu tô pensando justo no que eu não posso ter. É a aquela coisa, NUNCA nada pode estar bem. E o pior é não conseguir lembrar quando eu comecei a ficar assim.


"Everybody's looking for that something
One thing that makes it all complete

[...]

Some find it sharing every morning
Some in their solitary lives
You'll find it in the words of others
A simple line can make you laugh ou cry

[...]

So, impossible as they may seem
You've got to fight for every dream
Cause who's to know which one you let go
Would have made you complete"

Decidido

[Quinta-feira, 30 de maio de 2013]

Como resistir a isso?



Lembrei que na época que eu fazia pré-vestibular eu basicamente alternava entre o "Ok Computer" e o "Hail to the Thief" e, olha, rendia horrores.

Da crise musical ou "minha playlist é exótica"

[Quinta-feira, 30 de maio de 2013]

essa última era o título de uma comunidade no orkut, achava super #minhacara.

O fato é que estamos aqui tentando começar o dia (sim, agora) e eu não sei se, enquanto isso, eu escuto Silverchair, Radiohead ou Avantasia.



"Pacto com a Infelicidade"

[Quarta-feira, 29 de maio de 2013]

Parece que esse é o meu mau.
...deu por hoje, só quero livro e cama.

Belo começo de dia

[Quarta-feira, 29 de maio de 2013]

Consegui me cortar com uma lâmina, virar outra boa parte da minha base cara dentro da pia (já tinha feito isso há aproximadamente um mês) e me machucar num ônibus que quase bateu. Felizmente, acho que só vou ficar com uns dois roxos no braço esquerdo... o corte com a lâmina também não foi grande coisa, só demorou um bom tempo para parar de sangrar e, consequentemente, me atrasou ainda mais pra vir ao trabalho. Enfim, tudo antes do meio-dia. Oremos.

Como estamos?

[Terça-feira, 28 de maio de 2013]

Hoje começou a saga Nádia x SAA/UnB Parte 2. Queria ter ido resolver isso quinta-feira passada, quando tava com a manhã livre, mas como hoje já tinha reunião de orientação, resolvi evitar a fadiga e ir à UnB só uma vez porque né, ninguém merece. O lado bom: comprovei que teria dado viagem perdida na quinta. O lado ruim: mais uma vez, comprovei que esse SAA parece trabalhar contra o aluno, e não o contrário. Resumindo: entrei em condição de desligamento (correto, vacilo meu) no 1º/2012, fui desligada no 2º/2012 (incorreto, erro deles) e fui reintegrada esse semestre com a condição de concluir o curso. PRIMEIRA COISA que eu perguntei ao tomar conhecimento da reintegração: "Posso trancar, se eu precisar?"; "Bem, você pode fazer um trancamento justificado"; "Então, eu posso?"; "Pode". Beleza. O plano era me formar ainda esse semestre só que, como eu só consegui uma orientadora dia 03 desse mês, obviamente eu não vou conseguir entregar uma monografia em dois meses e meio (mesmo porque minha orientadora só pega alunos que começam um semestre antes). Tranquilo, dei uma pirada por dois dias quando confirmei que muito difícil iria rolar ainda esse semestre, isso ao receber meu 1º "não" de outra professora que já tinha outros sete orientandos e depois caiu a ficha de que provavelmente a maioria dos professores estaria em situação parecida. Mas quando percebi que realmente gostava do meu tema e que, sim, queria defendê-lo, e que, a princípio as únicas coisas que eu iria adiar seria voltar a estudar italiano e, mais uma vez, a Oktober Fest (o que já ia ser quase impossível devido a choque de férias no trabalho: o colega que vai tirar férias em outubro abriu mão de janeiro pra bonita aqui passar o mês todo na Europa, então nem tem o que chiar), fiquei tranquila. Voltando (sim, isso é um resumo), hoje fui lá saber sobre que tipo de trancamento eu poderia fazer. "Você não pode trancar"; "Mas eu perguntei antes e vocês disseram que podia"; "Mas seu caso não tá dentro do trancamento justificado"; "Mas..."; "Você pode falar com a Fulana às 13h e ver se tem como mudar a situação da sua reintegração". E a pirralha virou as costas pra mim pra continuar pendurando bandeirinhas de festa junina. Como ainda tinha a orientação, respirei fundo e só pedi o telefone da Fulana de Tal pra ligar à tarde. Fiz isso. A fulana estava em reunião e iria embora direto; no dia seguinte, ela também teria reunião, duas. Respirei fundo novamente. Corri atrás de todos os manuais e legislações da UnB que tratam de desligamento e reintegração durante meu tempo livre no trabalho. Obviamente, com meu histórico constando seis créditos a mais do que eu precisava e com ainda um ano pra poder terminar o curso eu não teria com o que me preocupar. Mas como para eles vale "o sistema", eu preciso tomar minhas providências antes que "o sistema" me desligue de novo. Enfim, jeito tem: não sei qual vai ser, mas tem. Só que eu vou ter que ter toda uma dor de cabeça desnecessária, DE NOVO, por causa dessa porcaria que começou há mais de um ano. Lógico que, nesse meio tempo, TODAS as possibilidades do mundo me passaram pela cabeça. Desistir foi uma delas, lógico...considerando aquilo que todo mundo já tá cansado de me ouvir dizer, tanto esforço por uma coisa que eu nem quero e é só a mais lógica a fazer (formar) mas agora é questão de HONRA acabar com essa palhaçada.

Mesmo porque a monografia em si agora é o menor dos meus problemas, pelo contrário. Lógico, é estressante, te obriga a abrir mão de outras coisas no momento e, vamos combinar, passar um domingo inteiro lendo sobre biblioteca escolar não é exatamente divertido, mas. Ainda não acredito que consegui pensar num tema com algo de que eu realmente gosto dentro de uma área em que praticamente nada me interessa; encontrar uma pessoa disposta a me orientar nessa temática (meu maior medo era que me pedissem para mudar), então. E é A pessoa... uma das coisas que eu mais gosto nela é ver o quanto gosta e acredita no que faz, e eu gosto de gente assim, apaixonada: com ela, eu acabo lendo sobre biblioteca escolar e me emocionando (provavelmente tava de TPM, há!)! E, no fim das contas, estudar tem me dado um foco e me ajuda a esquecer do resto que tá desmoronando. Agora é questão de manter esse foco: nas últimas duas semanas eu não fiz praticamente nada (tranquilona por causa do prazo de quinze dias entre uma reunião e outra), tomei todas no sábado e me ferrei dando conta de tudo domingo. Hoje ela me elogiou, disse que eu fiz a tarefa direitinho e que foi um ótimo começo. UFA. No fim das contas, eu ainda tento fazer meu melhor apesar de tudo: mas não dá pra viver assim, on the edge, o tempo todo. Uma hora eu adoeço de novo o.O


Planos pro feriado: montar um plano de estudos e/ou de vida para a segunda metade desse ano; não  acredito que sábado já é junho. Enfim, não quero passar todo esse tempo me lamentando que "minha vida acabou" porque eu só vou entregar esse trabalho em novembro, muito menos chutar o balde e cagar com tudo depois de todo esse trabalho. Precisamos de um meio termo e de um mínimo de paz.


Aié[1]: meu psicólogo tinha me pedido para começar a pensar no que eu quero pra mim... não consegui em pensar em nada "grande", mas consegui pensar em mais coisas que eu não quero (depois da "crise" de quinta-feira, então). É engraçado como todo esse tempo depois o medo de repetir essa merda toda ainda é grande. Tenho raiva com o quanto as coisas parecem acontecer devagar, mas é aquela coisa: "você só pode sair do lugar quando souber para onde ir"... só que eu cansei andar em círculos, por isso eu desanimo. De qualquer forma, parece que eu finalmente tô começando a ver uma luz no fim do túnel, um nascer do sol no horizonte. Sinto que, dessa vez, eu chego ao fim dessa maratona... para ganhar minha "medalha de participação", que seja, mas é MINHA e eu a mereço: para me lembrar que eu fui até o fim. E que venha a próxima!

Aié[2]: meu pai hoje confessou que começou a fazer terapia hehehe, isso vai ser interessante!

Aié[3]: PRECISO dormir mais cedo. Ontem cochilei no ônibus e sonhei que o Leonardo DiCaprio seria o próximo papa, #querdizer.

É foda...

[Segunda-feira, 27 de maio de 2013]

...ter que gastar boa parte do seu estoque de paciência já em plena segunda-feira, tudo por causa de gente que tem que descontar a própria incompetência nos outros. Daí que sexta-feira eu acabei quase não me segurando, mas esse quase já sobrou pra mim hoje. E agora eu tenho que reunir todas as minhas forças pra aguentar pelo menos até me formar... porque né, sem esse horário eu não consigo.

O que é complicado em se tratando de problemas no trabalho é que você tem que estar lá TODO SANTO DIA, e não dá para simplesmente ignorar a existência de certas pessoas; você TEM que conviver. E isso acaba afetando todo o resto, porque é onde você passa boa parte do dia. No atual momento, meu objetivo é ser invisível até eu poder pedir para sair: mas até isso tá difícil. E pensar que eu passei dos meus 21 aos 24 trabalhando com execução financeira e nunca cheguei nem perto de perder as estribeiras como eu sinto que posso perder agora. Saí de lá porque, realmente, o volume de trabalho e os problemas, principalmente em 2009, eram demais para quem precisava também estudar... mas ao menos era valorizada e reconhecida: sem contar que me sentia BEM mais útil. Mas enfim, é o que tem pra hoje. O lado bom disso tudo é que a cada dia eu quero menos ainda isso para minha vida, virar uma velha à toa que não tem outra vida além de encher o saco dos outros.

Acho...

[Domingo, 26 de maio de 2013]

...que eu não funciono mais hoje. Só que ainda tem uma porrada de tarefa de francês, então não tenho opção. Enfim, por que diabos eu faço isso comigo mesma? Domingo deveria ser dia de descanso, pohãn! E quando eu penso que eu só terei férias em novembro, me dá vontade de morrer. Mas né, pelo menos essa semana tem feriado... não vai emendar nem nada (só fazer com a que sexta seja ainda mais cheia de serviço do que já é), mas é melhor que nada.


UPDATE: Lembrei que, por algum milagre, não tem nada para fazer amanhã de amanhã, então farei isso... dormirei cedo e acordarei cedo para fazer as tarefas e estudar pra prova de terça. Sempre funcionei melhor à noite, mas é óbvio que não tem mais funcionado. Tenho planos, já algum tempo, de estudar pelo menos duas horas todos os dias pela manhã para, à noite, poder descansar (tomar um banho demorado, fazer uma comidinha caprichada, me jogar na frente da TV/ler um livro/ficar de bobeira na Internet). Então, testemos isso amanhã pra ver se funciona.

De novo...

[Sábado, 25 de maio de 2013]

...saí pra beber e senti essa necessidade de tomar banho e tirar a maquiagem - dessa vez, com todos os sabonetes que eu tenho direito, já que vou dormir em casa. Também não dispensei meu gel para pernas e pés - ou meu #BFF... não sei se eu já comentei, mas um dos meus objetivos diários tem sido convencer a mim mesma de que beirar os 30 NÃO é estar com o pé na cova.

No mais, mais um dia de reencontros (poizé, menos de uma semana depois: alguém lá em cima anda querendo testar meus nervos, só pode). Dessa vez, com um passado ainda mais distante: 10 anos.

Pausa para um momento nostalgia daqueles, não sei de onde eu desenterrei isso.



"Distorted eyes
when everything is cleary dying"


Voltando, quem mora aqui conhece a máxima: "Brasília só tem três pessoas: eu, você e alguém que a gente conhece". Enfim, não sei se foi a mais absoluta falta do que fazer nessa cidade que fez, tipo, a humanidade, ir baixar na Embaixada da Alemanha... provavelmente pra ver o jogo (acabamos indo embora mais cedo por motivos de falta de espaço praquele povo todo). Enfim, encontrei desde gente do trabalho a toda espécie de semi-conhecidos. E, claro, tinha que ter algum passado tenebroso: literalmente, esse envolveu até bruxaria, na época... bons tempos, hihi. Engraçado que eu sempre considerei esse um dos causos mais mal resolvidos da minha vida, um capricho que, independente do tempo que passasse, eu sempre quis saber como seria levar até o final. Mas, hoje, vi que passa, TUDO passa. E o de hoje também vai passar. Dormi com remédio (natural, mas tinha tempo que nem disso eu precisava mais) de quinta para sexta e, ontem, fui pro trabalho chorando durante todo o caminho: e mandando por ralo a maquiagem que eu tive todo o trabalho de fazer pra esconder aquelas olheiras que já somavam uns três dias. Tive um insight e me vi voltando à toda aquela negatividade em que eu me encontrava até pouco tempo. Mas, hoje, eu só ri. Sorri... Mandei mensagens pra uma amiga (minha partner in crime nessa época) e bebi... e até brindei com meu passado em questão. Porque, no final das contas, com diz uma outra amiga, a vida é uma piada deveras sem graça - e são justamente essas as que mais me divertem.

Boa comparação, ó...

[Sexta-feira, 24 de maio de 2013]



Pelo menos essa semana de merda acabou. E amanhã eu vou beber, beijos.

Às vezes...

[Sexta-feira, 24 de maio de 2013]

...eu acho que eu não posso ser mais masoquista: mas aí eu vou lá e me supero o.O

Por algum motivo, eu tinha essa foto poser em algum lugar (é de 2007, relaxem...)

É incrível como, ESSE TEMPO TODO, eu AINDA NÃO APRENDI, que quando esses reencontros acontecem, tem coisa, SEMPRE tem coisa. E pensar que eu QUASE cheguei a tocar no assunto sem nem imaginar, mas não... não tem a ver comigo, nada disso, nunca teve. E não ia mudar justo agora. A essa altura, eu já devia ter aprendido que nem sempre as coisas acabam bem, muito menos do jeito que a gente quer. E, considerando tooodo o andar da carruagem, até que as coisas tão bem boas... Quando a gente fica mais velha, percebe que, no fim das contas, o que importa é ter PAZ. E isso, felizmente, eu já consegui faz tempo. No fim das contas, foi melhor assim. Aquele momento foi perfeito do jeito que foi e, se eu tivesse aberto minha boca tudo iria por água abaixo. Então, "fazendo a Pollyanna", fico contente que tenha sido assim. Melhor curtir minha dor só, como eu sempre fiz: principalmente na última vez, com as moedinhas da sanidade. Não faz mais sentido sentir dor alguma... É só que é meio (que completamente) foda essa coisa de "end of an era". Acabou, c'est fini... mas hoje eu só choro por mim: porque eu sou humana, em primeiro lugar, e, em segundo, porque eu não sei o que vai ser de mim nem o que eu quero pra mim.

Engraçado que foi justamente essa a questão sobre a qual meu psicólogo me pediu para refletir durante a próxima semana... "o que VOCÊ quer"? Contei sobre a formatura da minha prima (depois eu conto aqui: ou não... tou sem tempo, porra) e sobre ter almoçado com meu pai no local de trabalho dele mais cedo no mesmo dia e sobre ter considerado isso uma baita duma (in)direta. E ele me falou sobre isso tudo, pensar no  que EU quero; ele comentou até que "talvez formar uma família não seja prioridade": e não é MESMO. Então porque eu tô aqui de olho inchado nesse exato momento, eu me pergunto. Não é "inveja" nem nada do tipo "poderia ser eu ali". É mais isso mesmo, de ver esse tipo de coisa se repetindo (o que é natural, muita gente casa e tem filhos na minha faixa de idade) e eu ficando para trás... não exatamente nesse sentido, mas, sei lá, em TODOS. Obviamente o departamento dos relacionamentos não é o meu forte: mas se eu não dou conta nem da questão profissional/carreira/trabalho, então eu tô muito fodida, porque se eu não me encontro nem na única coisa que depende 100% de mim, o que me resta? Além de morrer só, morrer frustrada? Enfim, ele disse que me vê sempre com muitas dúvidas... mas que eu deveria começar a me fazer algumas perguntas, ao invés de só querer todas as respostas prontas. Nesses dois anos, percebo que, aos poucos, fui descobrindo o que eu não quero. E ainda tô presa aqui, com minha vida social ao léu, sem conseguir me olhar no espelho, me perguntando se eu mereço querer alguma coisa. Ainda sinto resquícios desse impulso de me punir, por, sei lá, "não ter dado certo". E foi tão triste me ver dizendo isso de novo... Isso não vem de mim. E é isso que eu tenho que começar a observar: o que sou eu, quem sou eu de verdade e o quanto de mim são outras vozes me dizendo o que eu posso/devo fazer. E parece que, para isso, para variar, eu vou ter que continuar sozinha. "Maybe I'm alone and that's what I'm qualified to be".


Para finalizar, a trilha sonora dessa palhaçada toda - antes de "The Vampire Diaries", essa música era MI-NHA (e eu achando que estudar com Within Temptation seria uma boa ideia HA-HA-HA)


"I'm here on the edge again
I wish I could let it go
I know that I'm only one step away
from turning it around"

"Tell me why I don't like mondays..."

[Quarta-feira, 22 de maio de 2013]

...and tuesdays and wednesdays too.




PS: pelo menos eu perdi mais peso (alegria de mulher): se eu conseguir menos 600 g nas próximas duas semanas, atinjo meu 1º objetivo o/

Do sonho realizado e de viver um dia nos anos 70

[Segunda-feira, 20 de maio de 2013]

Tuitei ontem:
"Yes salvou minha vida uma vez, e não poderia ter momento melhor para comemorar a maré boa que veio com esse mês. Chorei como um bebê e como nunca antes num show, feliz é POUCO!"

Uma das delícias de se ir só a um show, principalmente de quem você é mesmo fã, é que você vive um momento só seu, sem se importar com o que possam pensar. Já cheguei a gastar mais de 100 conto num DVD original do Yes (o da turnê de 35 anos), sequer imaginando que um dia eu poderia ver esses caras ao vivo, na minha cidade então... então dá pra imaginar como isso foi pra mim.

[É lógico que eu encontrei quem eu imaginava que poderia encontrar... só não esperava que fosse  efetivamente acontecer. De qualquer forma, não poderia deixar de ser, não num show do Yes. E que bom ver que tá tudo bem, seis meses depois do último episódio. Quem diria que um dia eu sentiria essa paz, apesar de tudo.]

Enfim, brinde de fim de show: poder correr lá pra grade na hora do bis e conseguir umas foto "munita"  - a última foi de celular, depois que a bateria da câmera morreu de vez.






No mais, hoje tem colação de grau de uma prima na UnB: a 1ª que eu vou depois do surto de dois anos atrás que me levou à situação atual... Na época, visualizar minha formatura significava um ritual de passagem pra um horizonte de infelicidade, e, até eu entender que não precisava ser bem assim, demorou... bem, esse tempo todo. Então, vamos ver como eu vou reagir hoje haha! Falando sério? Só tô pensando que depois todo mundo vai sair para comer e que eu vou ter desculpa para fazer gordice em plena segunda-feira, beijos. 

Hoje ainda aproveitei a tarde tranquila no trabalho (depois de passar raiva por causa da babaquice generalizada por parte de certas pessoas) para voltar aos estudos... Depois de ficar boa da gripe e recuperar as energias num show pelo qual eu tanto esperava, não tinha mais desculpa. Estou realmente gostando de estudar, o foda é que quando eu paro até pegar o ritmo de novo... PRECISO me organizar: como diz meu mandamento nº 09, "life won't wait for you, my friend" (brigada, Ozzy). #vamoquevamo o/

Queria...

[Sexta-feira, 17 de maio de 2013]

...escrever. Preciso: DORMIR.

Poizé, ando nesse sono doido desde o começo da semana. O FDS já não tinha ajudado (dormi fora de sexta para sábado, passei esse todo na rua e domingo idem, que foi Dia das Mães) e, apesar de ter demorado, a gripe me pegou de sábado para domingo e segunda eu era um zumbi com o nariz parecendo uma bica, com sono acumulado e tendo que tomar Resfenol mesmo assim. Parei com o Resfenol tem dois dias e, apesar de passar o dia bem, dá onze da noite e eu quero dormir por 100 anos...


Então, tive minha 2ª reunião de orientação terça-feira e ainda não consigo acreditar na "sorte" que eu tive e em como as coisas têm dado certo em tão pouco tempo... Mas aí eu lembro que tudo isso começou há mais de dois anos e que eu, mais que ninguém, sei o quanto me custou chegar até aqui... e é TÃO bom ver que vale a pena! Maio tá sendo tão bom que eu tenho até medo do que vai ser quando acabar hahaha! O começo do ano (com exceção da #Eurotrip: apesar de que isso foi em janeiro, e meu ano - e minhas crises, desde 2011 -  na prática sempre começa depois do meu aniversário, em fevereiro) foi o mais difícil de todos os tempos, mas, finalmente, consigo sentir alguma paz e acreditar que, SIM, eu vou conseguir fazer isso. Não tenho mais medo do "e depois?"... e já me permito "devanear" sobre coisas que eu quero fazer: aliás, essa semana já cumpri meu 1º objetivo de uma meta que eu decidi levar a sério sexta passada - enquanto entornava chopps com Steinheger hahaha! Sobre isso, falo mais depois que efetivamente definir o projeto. Bem, a vida tá longe de estar perfeita: minha vida social continua praticamente inexistente (na sessão retrasada, eu soltei uma que revelou uma questão muito importante nesse sentido: mas, no momento, eu e minha monografia e minha formatura somos a prioridade... espero que depois não seja muito tarde pra dar "um jeito" nisso, mas enfim, vamos acompanhando o andar da carruagem), minha auto-estima vai de mal a pior (essa semana teve chá de bebê no trabalho e, claro, fotos: sempre que vejo uma foto minha recente, minha auto-estima cai pra -10) e eu ainda preciso me organizar em muitos sentidos, mas já dá pra ver que "a vida vai melhorar"...


É, acabei efetivamente escrevendo... apesar de não ser nem metade do que eu efetivamente pretendia. No mais, amanhã faço mais uma tentativa de conseguir o "ruivo natural falso" ideal (enquanto eu não emagreço o que eu preciso, vamos focar em outras coisas... pelo menos ainda cuido disso: faço cabelo, unha e maquiagem antes de ir trabalhar que ninguém merece ver minha cara de quem morreu ontem) e domingo vou ver o Yes: sozinha, claro, mas se tem um show que eu preciso ter meu momento é esse. Arrepiei quando vi esse vídeo e tive que segurar o choro no trabalho hoje haha





Saber que você tá velha é...

[Sexta-feira, 10 de maio de 2013]

...ter essa NECESSIDADE de tomar banho depois de beber; além do desespero de constatar que você sequer levou seus lenços demaquilantes quando, nos bons tempos, era questão de HONRA chegar em casa, cair na cama e, no dia seguinte, acordar que nem um panda com gosto de cabo de guarda chuva na boca. Não que isso seja bom, mas né... dá uma noção do quão rápido o tempo passa "/

...an allergic reaction

[Quinta-feira, 09 de maio de 2013]

"someone: are you crying?

me: no, I'm having an allergic reaction.
someone: to what?
me: life"

(via @Laughbook)





Agora é dar um jeito nisso...

[Quarta-feira, 08 de maio de 2013]



...e começar a ajeitar a vida. mas antes, pelo menos as oito horas de sono necessárias a todo ser humano seria bom. Hasta.

Fazia TEMPO...

[Quarta-feira, 08 de maio de 2013]

...que o dia não terminava tão bem.


No mais, saudade de conseguir escrever decentemente... ainda tô meio quicando mas já já me organizo - PRECISO.

It's happening!

[Terça-feira, 07 de maio de 2013]

reunião de orientação amanhã!


May

[Domingo, 05 de maio de 2013]

...que seja repleto de novas possibilidades.

Maio, seu lindo

[Sábado, 04 de maio de 2013]

Ainda não caiu a ficha das coisas boas que aconteceram em simplesmente 3 dias... BTW, deu tudo mais que certo essa sexta e eu consegui comprar meu ingresso pro Yes (cadeira lateral, premium esgotou) não pra chorar minhas pitangas, mas sim pra comemorar. Agora é cuidar pra não fuder com tudo de novo e engatar a primeira com fé, porque o que não me falta é trabalho pela frente. #vamoquevamo


Hold On

[Quinta-feira, 2 de maio de 2013]

"Hold on - Hold on
Wait maybe the answer's
Looking for you

Hold on - Hold on
Wait! Take you time
Think it through
Yes! I can make it through
"





Espero que essa música ter tocado assim que eu acordei e liguei o rádio (Antena 1, lógico... sou velha) seja um bom sinal. E que venha amanhã!

You are NOT alone.

[Quarta-feira, 1º de maio de 2013]

"Sweet darling, you worry too much, my child
See the sadness in your eyes
You are not alone in life
Although you might think that you are
"

Facebook...

[Quarta-feira, 1º de maio de 2013]

...mais uma tecnologia para você se sentir (ainda) mais rejeitada. O melhor é ver que só deram ao trabalho de postar uma foto em que dá pra ver claramente que estão num lugar AO LADO da sua casa, como se te ligar fosse dar muito mais trabalho que isso, #querdizer.