Resgate do dia

[Quarta-feira, 04 de setembro de 2013]

Tava aqui lendo umas coisas que eu escrevi desde o começo do ano pra ver se achava algo interessante pra levar pra terapia daqui a pouco e dei de cara com esse trecho no final de um texto meu não publicado. Nada podia vir a calhar TANTO nesse momento.




Atreyu: “Como ele pode deixar acontecer?”
Impratriz: “ele não entende que ele é quem tem o poder de parar o Nada... ele não consegue imaginar que um garotinho possa ser TÃO importante”
Bastian: “Sou eu MESMO?”
Atreyu: “TALVEZ ELE NÃO SAIBA O QUE PRECISA FAZER”
Bastian: “O QUE EU PRECISO FAZER?”
Imperatriz: “ele precisa me dar um novo nome... e ele já escolheu o nome: precisa apenas pronunciá-lo!”
Bastian: “É só uma história, não é real!”
Imperatriz: “Bastian! Por que não faz o que sonhou, Bastian?”
Bastian: “Mas eu não posso, eu tenho que manter meus pés no chão!”
Imperatriz: “DIGA MEU NOME! BASTIAN, POR FAVOR, SALVE-NOS!”
Bastian: “CERTO! EU FAREI ISSO! EU OS SALVAREI! EU VOU FAZER O QUE EU SONHEI!”
1 Response
  1. Alexandre Says:

    Não sei por que temos que deixar tudo em ruínas até nos agarramos nos nossos sonhos, talvez seja o medo de fracassar pois são tão importantes.