#comolidar...

[Quarta-feira, 10 de julho de 2013]

...quando você sabe que alguém muito próximo de uma pessoa que foi/é muito importante pra você, mas com quem por algum motivo você quase não tem mais contato, faleceu?!

A vida é engraçada, você decide cortar os laços mas não pode se omitir numa situação dessas, não depois de se compartilhar algum tempo junto tão intensamente. E, apesar de hoje estar em paz, dói: dói, dói não saber o que fazer e imaginar a dor da pessoa e não poder estar próximo...

O pior de tudo é me lembrar de um episódio parecido na Páscoa desse ano. Não sei porque não consegui fazer mais nada. Aparentemente não sou boa em lidar com mortes nem com afastamentos: costumo de alguma forma fingir que tudo faz parte da vida e é normal, acontece todo dia, "life goes on"... sim, eu sinto muito, só não sei como agir. É uma coisa que faz parte de mim desde que eu me entendo por gente, mas que eu só fui dar importância há muito pouco tempo e que eu acabei soltando sem querer numa sessão de terapia: eu não sei lidar com coisas sérias; desde uma conversa até uma situação como essa. E daí eu acabo dando um jeito de fugir. E foi o que eu fiz nessa Páscoa  - essa coisa toda, infelizmente, só veio a tona pouco depois. Foi uma das piores sensações da minha vida e sei que vou pro meu túmulo carregando isso... e não queria repetir o erro de novo.


Daí minha irmã me manda uma notícia sobre um ônibus que capotou no trecho que eu faço todo dia pra vir ao trabalho. Enfim, comecei o dia meio arrasada. Espero que eu consiga fazer a coisa certa dessa vez.




3 Responses
  1. Alexandre Says:

    Sei não, nesses casos eu prefiro mesmo é ficar sozinho até por que fico pensando e repensando a minha vida e do que quero tirar dela. Acabo dando guinadas radicais quando saio desse transe.


  2. Acho que penso da mesma forma, acho que as pessoas precisam do seu tempo... mas ninguém parece compartilhar disso, , me sinto incompreendida e, claro, culpada, por não ter feito o que as pessoas esperavam.


  3. Alexandre Says:

    Também tenho essa sensação de estar errado.

    Já exerci essa vontade e a opinião foi extremamente negativa.

    Agora compareço mas somente de corpo pois a alma está em qualquer outro lugar menos ali.

    Sou tão atormentado por pensamentos tristes e não quero mais um se posso evitar.

    Prefiro ficar com as lembranças felizes.

    Finjo que sei lidar com isso, na verdade não sei nem por onde começar. Expor isso me quebraria em mil pedaços.