Felicidade é...

[Domingo, 02 de junho de 2013]

Descobrir um estoque de cervejas belgas na dispensa.

#vouconfessar que elas estão intocadas desde o fim de janeiro, quando eu voltei de lá. Algumas considerações:

1. Para quem não sabe, apesar de nunca ter bebido "que nem mulherzinha" (isso até 2011, no máximo), nunca gostei de "beber por beber": gosto de bebemorar, do ritual, de ter com quem brindar... então você raramente vai me ver bebendo cerveja em casa - a não ser em algum jogo de algum time alemão para fazer companhia à minha irmã (eu, particularmente, sou bem indiferente a futebol).
2. QUANDO eu acho que preciso beber (para afogar as mágoas, esquecer um dia de cão etc) e tô em casa, tomo vinho ou Amarula, mesmo porque eu bebo quantidades menores - e cerveja, apesar de ser minha bebida alcoólica preferida, engorda, empapuça, etc além de você ter que beber mais para conseguir o mesmo efeito que algo mais forte (vinho me derruba FÁCIL, por isso nunca bebo fora de casa - a não ser em casa de amigos muito íntimos).
3. Estou com uns probleminhas na absorção de álcool pelo meu fígado, então tenho recomendações de diminuir a bebida há mais ou menos um ano: mais um motivo para eu não beber em casa. Lógico que isso me fez descontar ainda mais na comida, mas enfim.
4. Quando a gente fica mais velha, fica mais fresca exigente. É um dia experimentar cerveja boa e fudeu tudo. Sim, ainda bebo Antarctica, mas provavelmente só depois de já ter ficado minimamente alterada com outra coisa... O fato é que eu paguei alguns centavos de Euro numa cerveja na Bélgica, mas já paguei R$30 na mesma num bar aqui em Brasília. Some-se o fato de que minha prima que tá morando lá não vem mais em agosto passar férias, só em dezembro, e que nossas "encomendas" demorarão o mesmo tanto, tenho mais um motivo para "fazer render" o que tem aqui.
5. Ainda assim, trouxe o que deu. Vim carregando sapatos numa sacola de mão vagabunda para poder enfiar todas as cervejas na mala, porque, afinal, prioridades são prioridades (e olha que eu sou viciada em sapatos, héin!)! Quando voltei, uma das primeiras coisas que me perguntaram foi se eu não "arrumei ninguém" na Europa... CLARO que não, todo mundo é gay e eu tinha que andar que nem um boneco de neve todo santo dia. Mas não se pode dizer que eu não encontrei um amor, o nome dela é Hoegaaarden.




Assim, basicamente ignorei a existência dessas preciosidades. Só que hoje dei de cara com elas, e eram mais do que eu pensava e, o melhor, as que vencem antes vencem no final de novembro... algumas outras vencem em 2014 e até 2015 (como as Delirium). Como temos planos de voltar à dieta com tudo esse mês, vou poder, sim, beber cerveja das mió qualidade possível, em quantidades adequadas, até o fim do ano. E lá, bebemoraremos à altura, com o estoque reposto. #ouié
1 Response
  1. Alexandre Says:

    Eu aprovo esta mensagem.

    Rá, estou na capital da cerveja. Tem mais fabricas aqui que em qualquer lugar do Brasil, fora as inúmeras artesanais das redondezas.

    Bebo todos os dias, o que tecnicamente me torna um "alcoólatra". Só que não encho a cara, pela facilidade de se conseguir cervejas de alta qualidade aqui, Cidade Imperial tem sempre na minha geladeira, bebo álcool, em vez de refrigerante, já que caloricamente dá no mesmo.