dia mágico

09/09/09, um típico dia mágico; talvez o mais mágico do ano.

tive minha época de bruxinha, de fazer simpatias bobas até o ponto de a sessão de esoterismo se tornar a minha preferida nas livrarias. e tinha um livrinho que eu gostava muito, da Alemdalenda... alguma coisa de dicas ou coisa que o valha de Govenka Morgan; era uma magia/feitiço/dica pro dia-a-dia mesmo em cada página e uma coisa que eu nunca esqueci foi dos tais dias mágicos/horas mágicas. eram momentos especias que a gente poderia aproveitar pra fazer desejos especiais. nunca esqueci pq sempre fez parte de mim; colocar o despertador pra 13:31 e não pra 13:30 pela simetria dos números e por aí vai. depois simplesmente passei a ver isso e outras manias irritantes que eu tenho como uma espécie de TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo) ou coisa parecida. depois passar a esquecer de toda essa história de ser bruxa... depois esqueci da magia.

é só que sempre, SEMPRE, por mais ruim que uma época fosse, depois de um tempo eu lembrava dela com uma nostalgia gostosa; lembrava da magia daquela época. lembrava ao ouvir uma música, ao sentir um cheiro, ao ver uma foto tirada em tal dia e, principalmente, ao ler alguma coisa escrita por mim. sempre que eu me perdia, tinha um pedacinho de mim me lembrando que eu vim de algum lugar; que não importa onde eu esteja e onde eu possa chegar, eu tenho um lugar pra voltar. e esse lugar sou eu mesma, eu sou meu próprio lar. O foda é que já tem um tempo que um vendaval me jogou no fundo de um poço seco e cada vez mais fundo; o foda é que o sol nasce e me enche de esperança com um novo dia, mas aí dá meio-dia e ele é tão forte que me cega e me incomoda e me irrita e me dá dor de cabeça e de repente eu só quero a noite de novo pra poder me recuperar daquilo... quem sabe no dia seguinte eu tenha forças pra tentar, mais uma vez, escalar as paredes do poço e voltar a procurar meu lar.

e escrever, pra mim, sempre me salvou... de qualquer vendaval, tempestade e raio que partisse. e, de repente, nesse tempo que a tecnologia avança tão rápido e diário já não existe, só blog, fotolog e o caralho a quatro eu comecei a me preocupar em escrever pros outros. um dia eu achei que escrevia bem, mas comecei a ver os outros escrevendo e a me achar cada vez menos digna de ter meu espaço, a podar minhas árvores de idéias minhas, só minhas e que eu não devia pensar se agradam ou desagradam pq elas tão e sempre estiveram no MEU lar. o fato é que nosso lar não precisa ser bonito pros outros, ele só precisa ser aconchegante e acolhedor primeiro pra quem mora nele e, se alguém gostar, que seja bem vindo! sinto falta do meu lar, sinto falta de ter pra onde voltar. quero sair desse poço, desse porão, fazer uma faxina na minha casa e me reencontrar em cada pedacinho dela. quero voltar a sentir a magia na minha vida.
0 Responses